Mecanismos de defesa

mecanismos-de-defesa1. Ab-Reação
Descarga emocional, pela qual o afeto ligado a uma recordação traumática é liberado, quando esta, até então inconsciente, chega à consciência.

2. Anulação
Ações que contestam ou desfazem um dano que o indivíduo imagina que pode ser causado por seus desejos.

3. Compensação
Processo psíquico em que o indivíduo se compensa por alguma deficiência, pela imagem que tem de si próprio, por meio de outro aspecto que o caracterize, que ele, então, passa a considerar como um trunfo.

4. Contra-Transferência
Trata-se de uma resposta do analista à transferência do paciente, que designa também, de forma mais geral, o conjunto das reações inconscientes do analista perante o paciente.

5. Conversão
Uma transposição de um conflito psíquico e uma tentativa de resolução desse conflito por meio de expressões somáticas.

6. Deslocamento
Transferir as características ou atributos de um determinado objeto para outro objeto. Exemplo: receber uma bronca do chefe e, assim que chegar em casa, chutar o cachorro como se ele fosse o responsável pela frustração.

7. Expiação
Processo psíquico em que o indivíduo quer pagar pelo seu erro imediatamente.

8. Fantasia
Um processo psíquico em que o indivíduo concebe uma situação em sua mente, que satisfaz uma necessidade ou desejo, que não pode ser, na vida real, satisfeito. Exemplo: Um homossexual que precisa manter o casamento e que, quando procurado pela esposa para o sexo, ele fantasia que está tendo relações homo e não hetero durante o ato.

9. Formação Reativa
Ostentar um procedimento e externar sentimentos opostos aos impulsos verdadeiros, quando estes são inconfessáveis. Uma reação contra si próprio.

10. Idealização
Atribuir a outro indivíduo qualidades de perfeição, vendo o outro de modo ideal.

11. Identificação
Processo psíquico por meio do qual um indivíduo assimila um aspecto, uma característica de outro, e se transforma, total ou parcialmente, apresentando-se conforme o modelo desse outro.

12. Intelectualização
“Eu sei, eu já li tudo isso!”, “Não é bem assim, tem muita discussão nova!”

13. Introjeção
Mecanismo de defesa quase que oposto à projeção. Trata-se de aceitar os conteúdos projetados como se fossem verdade do ego. Tudo que agrada é introjetado.

14. Isolamento
Isolar um comportamento ou um pensamento de tal maneira que as suas ligações com os outros pensamentos, ou com o auto-conhecimento, ficam absolutamente interrompidas.

15. Negação
“Este problema não é meu!” “Isto não acontece comigo!” Mesmo que evidente, a pessoa não percebe o que está acontecendo e funciona cegamente em relação a este mecanismo.

16. Opressão
Tirania que se exerce sobre alguém, por motivos vários, com repercussões psicológicas de molestamento, desconforto e aflição sobre o oprimido. O tirano usa do poder absoluto. Quando a pessoa tem opressão interna (ela mesma se oprime), ela não se permite a nada, ela se tiraniza se flagelando fisicamente ou psiquicamente.

17. Projeção
“Estou assim por causa de minha família”. Os conflitos e reflexões são colocados nos outros.

18. Racionalização
“Estou assim pelas dificuldades financeiras”. As razões estão em função das suas justificativas para a manutenção do problema.

19. Recalque
Exclusão de idéias, sentimentos e desejos que o indivíduo não quisera admitir e que, no entanto, continua a fazer parte da vida psíquica.

20. Regressão
Retorno do indivíduo a níveis anteriores do seu desenvolvimento, sempre que se depara com uma frustração. Por exemplo o choro das pessoas em certas situações pode ser uma regressão a infância que pode ter tido aquela situação em que o choro “resolveu o problema”.

21. Repressão
Afastar ou recalcar da consciência um afeto, uma idéia ou apelo do instinto. Um acontecimento que por algum motivo envergonha uma pessoa pode ser completamente esquecido e se tornar não evocável.

22. Resistência
Processo de resistências ao trabalho terapêutico, no qual o paciente tenta manter no inconsciente os acontecimentos esquecidos.

23. Sublimação
Processo de deslocamento que os indivíduos utilizam para desviar idéias que os perturbam.

24. Substituição
Processo pelo qual um objeto valorizado emocionalmente, mas que não pode ser possuído, é inconscientemente substituído por outro, que geralmente se assemelha ao proibido. É uma forma de deslocamento. Um exemplo é o bebê chupar o dedo ou a chupeta para sentir o prazer como se estivesse no seio da mãe.

25. Transferência
Representa o motor da cura e pode ser vista como a repetição, face ao analista, de atitudes emocionais, inconscientes, amigáveis, hostis ou ambivalentes, que o paciente estabeleceu na sua infância no contato com os pais e com as pessoas que o rodeiam.